|
oito-dos-22-ministros-de-bolsonaro-sao-militares-a-maior-participacao-das-forcas-armadas-em-um-governo-desde-a-redemocratizacao-1553896440423_v2_976x549-880x460-1

Via PSOL 50

Os líderes da minoria e da oposição na Câmara e no Senado Federal, Marcelo Freixo (PSOL/RJ), Alessandro Molon (PSB/RJ), Jean Paul Prates (PT/RN) e Randolfe Rodrigues (Rede/AP), além do líder da minoria no Congresso Arlindo Chinaglia (PT-SP), apresentaram nesta quarta-feira (31) um novo pedido de impeachment de Jair Bolsonaro pelos crimes de responsabilidade cometidos pelo Presidente da República ao usar as forças militares brasileiras para seus interesses pessoais de ameaça à democracia brasileira.

No documento, os parlamentares mostram que o Presidente da República está tentando, de forma autoritária, se apropriar indevidamente e para interesses pessoais das forças militares do Brasil com ameaça evidente à democracia.

Nesta semana, 57 após o golpe militar de 1964, Jair Bolsonaro demitiu o então Ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva e colocou em seu lugar o general Braga Netto para ter maior controle político sobre as Forças Armadas no país. Em resposta, os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica entregaram seus cargos em reunião com o novo ministro na última terça-feira (30), em um gesto inédito na história do país.

“Estamos diante de uma escalada da radicalização bolsonarista e o parlamento tem o dever de reagir para proteger a democracia. Impeachment já!”, disse Marcelo Freixo, que representa o PSOL neste novo pedido de impeachment. Ao todo já são mais de 70 pedidos de impeachment contra Bolsonaro apresentados no Congresso Nacional.

Veja também