|
sender

Nesta edição do Clipping do Observatório Internacional, repercutem-se os seguintes assuntos: a crise venezuelana, a confirmação do referendo chileno para abril de 2020, o atrito diplomático entre México e Bolívia, os protestos operários na França, a condenação de cinco suspeitos de terem assassinado o jornalista saudita Khashoggi, a perseguição à oposição na Turquia, a volta por cima de Netanyahu no interior de seu partido em Israel, o bloqueio da internet no Irã pelo regime dos aiatolás às vésperas de manifestações, os incêndios florestais na Austrália, os protestos em Hong Kong e a polêmica lei segregacionista na Índia.

NOTÍCIAS E ARTIGOS DA IMPRENSA INTERNACIONAL

Crise na Venezuela

BBC (23/12): “O obscuro assalto a um forte militar que deixou um soldado morto e vários detidos no sul do país” (em espanhol)

Um soldado do Exército venezuelano morreu e seis pessoas foram presas no domingo após um ataque a uma instalação militar no sul do país, segundo o governo. O ministro da Defesa Vladimir Padrino informou à tarde em sua conta no Twitter que o incidente, que ele descreveu como “ataque terrorista”, ocorreu nas primeiras horas da manhã, embora ele não tenha especificado o local ou o número de participantes no incidente, no qual eles teriam roubado várias armas.

Referendo no Chile

DW (23/12): “Piñera promulga lei que habilita plebiscito para mudar Constituição” (em espanhol)

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, promulgou nesta segunda-feira a lei que habilita a convocação de um plebiscito para domingo, 26 de abril, para decidir a Constituição herdada da ditadura de Augusto Pinochet.

Atrito diplomático entre México e Bolívia

EXCELSIOR (26/12): “O México vai à Corte Internacional por cerco da Bolívia à Embaixada” (em espanhol)

Três dias após a Bolívia aumentar a vigilância com policiais e militares na residência e embaixada do México, o Secretário de Relações Exteriores (SRE), Marcelo Ebrard, anunciou que o México apresentará hoje um instrumento legal perante o Tribunal Internacional de Justiça contra a nação por a violação das obrigações diplomáticas e alertou que não será permitido um ultraje à soberania nacional.

Protesto na França

THE GUARDIAN (23/12): “Greve dos trabalhadores ferroviários franceses colide com a polícia de choque” (em espanhol)

Trabalhadores ferroviários franceses em greve entraram em choque com a polícia de choque em Paris depois de realizar uma manifestação contra mudanças nas pensões, apesar do pedido de Emmanuel Macron por uma trégua de Natal. Centenas de sindicalistas e grevistas se reuniram na segunda-feira de manhã fora da Gare de Lyon, usada por um grande número de passageiros que viajam para o sul nas férias ou em resorts de esqui perto dos Alpes, e onde muitos serviços foram cancelados.

Condenação de executores do assassinato de Khashoggi

THE GUARDIAN (23/12): “A Arábia Saudita sentencia cinco à morte pelo assassinato de Jamal Khashoggi” (em inglês)

Cinco homens foram condenados à morte e outros três enfrentam um total de 24 anos de prisão por seus papéis no terrível assassinato do jornalista dissidente Jamal Khashoggi no consulado saudita em Istambul no ano passado, informou o gabinete do promotor público saudita.

REUTERS (24/12): “Noiva de Khashoggi diz que execução de condenados ocultará a verdade” (em inglês)

A noiva do jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado, descreveu a sentença de cinco pessoas à morte em relação ao assassinato como injusta e inválida, acrescentando que sua execução ocultaria ainda mais a verdade.

Perseguição contra a oposição na Turquia

REUTERS (27/12): “Tribunal turco condena 7 pessoas de jornal da oposição” (em português)

Um tribunal da Turquia condenou à prisão sete funcionários do jornal de oposição Sozcu, incluindo jornalistas, nesta sexta-feira, sob acusação de terem ajudado uma rede que o governo turco diz ter orquestrado um golpe de Estado fracassado em 2016, informou a publicação.

Bloqueio de internet no Irã

ABC (25/12): “Irã bloqueia a internet antes de possíveis protestos” (em inglês)

As autoridades do Irã restringiram o acesso à Internet móvel em várias províncias, um dia antes do início de novos protestos, após pedidos de manifestações nas mídias sociais. Postagens nas redes sociais, junto com alguns parentes de pessoas mortas em distúrbios no mês passado, pediram protestos renovados e cerimônias para comemorar os mortos, que serão realizados na quinta-feira (horário local).

Vitória de Netanyahu nas primárias do Likud

THE GUARDIAN (26/12): “Netanyahu tem vitória arrasadora em disputa pela liderança do Likud” (em inglês)

Benjamin Netanyahu obteve uma vitória esmagadora em uma eleição primária para a liderança do partido Likud em Israel. Os resultados oficiais anunciados na sexta-feira mostraram Netanyahu conquistando 72% dos votos, em comparação com 28% do desafiante Gideon Saar. Antes, Netanyahu havia declarado uma grande vitória após uma pesquisa de saída que o colocou a caminho de mais de 70% dos votos.

Incêndios florestais na Austrália

DW (27/12): “Incêndios australianos ameaçam suprimento de água de Sidney” (em inglês)

As autoridades australianas estavam preocupadas na sexta-feira que incêndios florestais poderiam comprometer o abastecimento de água potável de Sydney. Os bombeiros capitalizaram em condições mais frias para estabelecer linhas de contenção, mas cerca de 70 incêndios continuaram a arder no estado de New South Wales (NSW) – metade deles não contida.

Protestos em Hong Kong

DW (24/12): “Protestos durante o Natal” (em inglês)

A polícia de choque em Hong Kong liberou gás lacrimogêneo em um shopping enquanto manifestantes pró-democracia entoavam slogans entre uma multidão movimentada na véspera de Natal. Os protestos deste ano já haviam impactado os planos festivos em Hong Kong.

Protestos na Índia

THE GUARDIAN (22/12): “Narendra Modi defende lei de cidadania polêmica em meio a protestos” (em inglês)

Continuaram os confrontos entre a polícia indiana e os manifestantes enfurecidos por uma nova lei de cidadania que exclui os muçulmanos, pois o primeiro-ministro Narendra Modi usou uma manifestação para seu partido nacionalista hindu defender a legislação, acusando a oposição de empurrar o país para um “medo psicótico”.

ARTIGOS E DEBATES DA ESQUERDA MUNDIAL

Luta contra a Reforma da Previdência na França

VIENTO SUR (21/12): “Manter vivas as brasas da greve para que espalhe a chama, por Leon Cremieux (em espanhol)

O novo dia de greves e mobilizações que ocorreu em 17 de dezembro confirma a tendência geral em resposta ao crescente confronto contra a reforma previdenciária. As manifestações foram massivas em todo o país, raramente inferiores e principalmente superiores às de 5 de dezembro, com um aumento global em todo o país. Claramente, mais de um milhão de pessoas se mobilizaram. Embora o governo – sem grande convicção – tente martelar os números anunciados abaixo dos do dia 5.

Protestos no Irã

MIDDLE EAST EYE (23/12): “O que será dos movimentos de protesto no Irã em 2020?“, por Harith Hasan (em francês)

Se o retorno ao status quo antes de outubro não for mais possível, uma mudança radical, isto é, a supressão completa da oligarquia no poder, permanece improvável. Em vez disso, o confronto e a negociação entre a rua e a oligarquia continuarão e seu resultado dependerá de quem das duas partes da evidência de maior resiliência e adaptação.

Pobreza nos EUA

GLOBAL RESEARCH (26/12): “50 milhões de pessoas passam fome nos EUA“, por Larry Romannoff (em inglês)

Entre essas 50 milhões de pessoas atualmente passando fome nos Estados Unidos, 25% de todas as crianças americanas que dormem com fome todas as noites estão incluídas. Hoje, aproximadamente 25% da população americana não pode comprar comida suficiente para se manter saudável e a maioria dessas pessoas passa fome pelo menos três meses por ano. A situação é tão séria que muitos estudantes universitários começaram a cavar os contêineres de lixo em busca de alimentos em condições.

Golpe na Bolívia

REBELION.ORG (23/12): “O Estado de exceção transfigurado como ‘governo de transição“, por Jose Luis Vera (em espanhol)

A violenta espiral das “comissões cívicas” de cariz neofascista foi radicalizada pelo papel da OEA e de seu secretário-geral, Luis Almagro, que “avançaram” para 10 de novembro os resultados do “relatório preliminar” da auditoria realizada ao processo eleitoral, declarando “descobertas falhas” e “graves irregularidades” nas eleições de 20 de outubro.

Veja também