|
freins

FONTE: International Viewpoint | 12/08/2020 | TRADUÇÃO: Charles Rosa

Há três dias, desde as eleições presidenciais na Bielorrússia, as ruas de todas as principais cidades do país se tornaram palco de pesados confrontos entre manifestantes e policiais. Apesar do fato de que, por todas as pesquisas independentes e evidências de observadores, a candidata da oposição Svetlana Tikhanovskaya obteve uma vitória convincente, o líder autoritário Alexander Lukashenko anunciou sua reeleição.

Diante da oposição da maioria da população, hoje ele conta apenas com a polícia e os serviços secretos, que receberam carta branca para a mais brutal repressão aos protestos. Milhares de detidos, centenas de feridos e pelo menos um morto – esse é o preço que Lukashenko já pagou para preservar seu regime. No entanto, a resistência continua – não apenas na forma de protestos de rua, mas também nas greves políticas que já começaram em várias grandes empresas.

Expressamos nossa solidariedade aos trabalhadores e jovens da Bielorrússia em sua luta por um futuro melhor. Também exigimos a libertação de ativistas de esquerda bielorrussos, como Pavel Katarzhevski e Yury Glushakov, que foram ilegalmente presos durante esses dias. Abaixo, publicamos a declaração do Movimento Socialista Russo sobre as eleições presidenciais na Bielorrússia.

POR ELEIÇÕES LIVRES E CONTRA REPRESSÃO NA BIELORRÚSIA – (Comunicado do MSR anterior às eleições)

Em 09 de agosto, as eleições presidenciais serão realizadas na Bielorrússia. Em todo o país, em vários níveis da sociedade, assistimos à mobilização de insatisfeitos com o regime de Lukashenko, cada vez menos populares e menos orientados socialmente, contrariando estereótipos e declarações. As autoridades respondem com ameaças e propaganda torpe, provocando tensão e discórdia em vez de oferecer uma oportunidade para eleições livres. Ao mesmo tempo, o Kremlin executa planos de negócios para subordinar a Bielorrússia, o que só pode causar indignação entre os comunistas e socialistas russos.

Lutamos por uma Rússia democrática, capaz de construir relações com a Bielorrússia e outros vizinhos em igualdade de condições, com os quais estamos unidos por muitos laços históricos, econômicos, culturais e familiares. Apoiamos o povo bielorrusso no seu direito a eleições livres, pela independência da Rússia e de quaisquer outros atores imperialistas.

Apoiamos sindicatos, movimentos sociais e organizações de esquerda bielorrussos independentes que se opõem ao regime usurpador e criticam as alternativas neoliberais abertamente de direita ao sistema existente. Esperamos que a revolta política na Bielorrússia fortaleça a influência das forças que estão prontas para defender os interesses da maioria dos bielorrussos – trabalhadores, estudantes, reformados, os interesses da Bielorrússia como um país independente, democrático, social e, no futuro, um estado socialista.

Tirem as mãos das eleições livres! Não às repressões!

04 DE AGOSTO DE 2020

Veja também