|
A_UNO_1295939-1

Via El Desconcierto

“Estamos aguardando as assinaturas e com isso podemos lançar nossa candidatura”. Com estas palavras Fabiola Campillai confirmou em conversa com El Desconcierto que tentará chegar à votação de novembro como candidata ao Senado, para o sétimo círculo eleitoral senatorial da Região Metropolitana.

A mulher de San Bernardo que perdeu a visão, o paladar e o olfato depois que um oficial carabineiro jogou uma bomba de gás lacrimogêneo em seu rosto em 2019, tornou-se um símbolo das violações dos direitos humanos que ocorreram durante a revolta social.

De sua casa, Campillai disse a este jornal que “isto nasceu da Lista do Povo, eles vieram até mim para fazer esta proposta, nós não tínhamos pensado nisso antes”.

Ela explicou que a ideia desde o início era candidatar-se a senadora, nenhum outro cargo foi considerado.

“Na realidade, eles nos convenceram. Eles nos convencem de que é possível, que pessoas comuns como nós podem ocupar posições que realmente nos ajudam a alcançar a justiça que precisamos, não apenas para nós como família e para mim como pessoa, mas também para as outras vítimas destes policiais e deste governo”, disse ela.

“A partir daí pensamos que podemos ajudar mais com isso e também legislar a favor do povo e que esta hierarquia acabou, que a elite está sempre governando, dirigindo nosso país”, disse ele.

Com relação às suas expectativas, ele assegurou que “nós pensamos, e as pessoas que nos propuseram isso também, que nós podemos, que pessoas como nós podem fazer isso. É assim que nós pensamos e é assim que vamos conseguir”.

Quanto à campanha, ela explicou que “será mais através de redes sociais do que pessoalmente, por causa da pandemia e também por causa da minha saúde”.

“Quando você se dedica a isso, você pode conseguir coisas e pessoas como nós podem legislar para nosso povo”, disse Fabiola Campillai.

Ela agora tem até 23 de agosto para reunir os patrocínios necessários, o que pode ser feito utilizando o ClaveÚnica no site Servel.

Veja também